Fungo eleva produtividade em 2,4 mil quilos/ha

Experimento comprovou atuação do microorganismo em lavouras no Rio Grande do Sul

Um ensaio conduzido em um campo experimental de São Borja, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, mostrou bons resultados com milho. Foi constatado um aumento de mais de 2,4 mil quilos por hectare na produtividade do milho híbrido quando este é semeado com inoculação do fungo Trichoderma harzianum. A pesquisa foi realizada pela Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), antes da estiagem deste ano.

O manejo da lavoura foi conduzido igualmente em duas parcelas comparativas de milho da mesma variedade. Ambas receberam fertilização mineral e controle fitossanitário. A diferença foi o tratamento de sementes com o fungo em uma delas. Enquanto a parcela de plantas não inoculadas produziu 13.800 quilos por hectare, a de plantas provenientes de sementes inoculadas computou 16.232 quilos por hectare. “Observamos efeitos positivos do tratamento sobre o comprimento e o diâmetro da espiga, o número de grãos por linha, o peso total da espiga e o peso total de grãos por espiga”, enumera a pesquisadora Gerusa Steffen.

O fungo Trichoderma causou um aumento na quantidade de raízes e no diâmetro do caule das plantas que foram inoculadas, aumentando a capacidade dela de absorver nutrientes. O fungo é encontrado naturalmente no solo e pode promover tanto crescimento de plantas em tratamento de sementes quanto ser usado para controle de pragas como fungicida e nematicida em aplicação foliar.

VEJA: As vantagens do controle biológico com Trichoderma

O inoculante de Trichoderma produzido pelo DDPA/Seapdr ainda não é comercial e está passando por testes em diferentes culturas. A solução pode ser aliada da produtividade em anos de estiagem como esta safra. No Rio Grande do Sul o milho 1ª safra teve quebra de 31, 8%, com produtividade caindo de 7,6 kg/ha para 4,9 kg/ha, segundo a Conab.

AGROLINK -29/06/2020