Cotações futuras do milho finalizam a 5ª feira com ligeiras altas em Chicago

Governo chinês afirmou estar em constante contato com os EUA

Na Bolsa de Chicago (CBOT), as cotações futuras para o milho terminaram o pregão desta quinta-feira (26) com leves ganhos. Os principais vencimentos do cereal registraram um ganho de 1,00 ponto. O Contrato Março/20 finalizou cotado a US$ 3,88 por bushel e o Maio/20 está precificado a US$ 3,95 por bushel.

De acordo com a Reuters Internacional, a China está em estreito contato com os Estados Unidos na assinatura do acordo da Fase 1, disse o Ministério do Comércio do país, acrescentando que os dois lados ainda estão passando pelos procedimentos necessários antes da assinatura.

Segundo as informações da Labhoro Corretora, o governo chinês afirmou estar em constante contato com os EUA em relação a cerimônia de assinatura do acordo comercial, e que os dois lados estão passando pelos procedimentos necessários. “Segundo o presidente Donald Trump haverá uma cerimônia específica para a assinatura da primeira fase do acordo comercial com a China. Os documentos para assinatura estão sendo traduzidos”, destacou.

O relatório das vendas semanais, divulgado normalmente nas quintas-feiras, será divulgado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) amanhã devido ao feriado natalino.

Mercado Interno

No caso do mercado interno brasileiro, as cotações registraram poucas movimentações nas principais praças pesquisadas pelo o Notícias Agrícolas. A região de Cascavel/PR, a saca do cereal registrou valorização de 2,63% e terminou o dia cotado a R$ 39,00. Já os preços do milho em Ponta Grossa/PR finalizaram o dia a R$ 41,00 por saca com um ganho de 2,50%.

No município de Rio do Sul/SC, os preços para cereal estão próximos de R$ 40,00 a saca e com um avanço de 2,56%. Já em São Gabriel do Oeste/MS, o milho está precificado a R$ 38,00 com uma queda de 2,56%.

Em seu boletim matinal, a Radar Investimentos reportou que as cotações do milho estão sustentadas. “O produtor está praticamente fora do mercado e os negócios são pontuais nas praças paulistas”, informou.

Notícias Agrícolas – 26/12/2019