Relatório de agosto do USDA para milho causou perdas no mercado

Os preços do milho despencaram nesta quinta-feira na Bolsa de Chicago após a divulgação do relatório de oferta e demanda de agosto do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA). Os números de oferta americana ficaram acima das expectativas do mercado.

O USDA previu que a safra 2017/18 americana deve atingir 14,153 bilhões de bushels, abaixo frente aos 14,255 bilhões de bushels estimados no mês passado, mas acima da projeção do mercado, que era de 13,841 bilhões de bushels. A produtividade média foi reduzida de 170,7 bushels por acre para 169,5 bushels por acre, enquanto o mercado esperava uma produtividade de 166 bushels por acre. A área a ser plantada foi mantida em 90,9 milhões de acres e a área a ser colhida em 83,5 milhões de acres.

Os estoques finais de passagem foram estimados em 2,273 bilhões de bushels, ante os 2,325 bilhões do relatório passado, enquanto o mercado trabalhava com estoques de 1,966 bilhão de bushels. As exportações foram indicadas em 1,850 bilhão de bushels, ante os 1,875 bilhão de bushels indicados em julho e o uso de milho para a produção de etanol foi previsto em 5,5 bilhões de bushels, sem alterações frente aos números estimados no mês passado.

Para a safra 2016/17 dos Estados Unidos, o USDA estimou os estoques finais de passagem em 2,370 bilhões de bushels, sem alterações ante julho, enquanto o mercado indicava um estoque de 2,366 bilhões de bushels. O USDA previu que safra 2016/17 americana deve atingir 15,148 bilhões de bushels, mesmo volume previsto em julho. A produtividade média foi mantida em 174,6 bushels por acre. A área a ser colhida segue estimada em 86,7 milhões de acres.  As exportações foram estimadas em 2,225 bilhões de bushels e o uso de milho para a produção de etanol foi apontado em 5,450 bilhões de bushels, sem mudanças ante o relatório do mês passado.

Mundo
A safra global 2017/18 foi estimada em 1.033,47 milhão de toneladas, ante os 1.036,90 milhão de toneladas apontados em julho. Os estoques finais da safra mundial 2017/18 foram projetados em 200,87 milhões de toneladas, acima das 200,81 milhões de toneladas apontadas no mês passado, enquanto o mercado trabalhava com uma expectativa de 194,7 milhões de toneladas.

A safra americana foi reduzida de 362,09 milhões de toneladas para 359,50 milhões de toneladas. A estimativa de safra brasileira foi apontada em 95 milhões de toneladas, sem alterações. A China deverá produzir 215 milhões de toneladas, mesmo número indicado em julho. A Ucrânia teve sua projeção de safra mantida em 28,5 milhões de toneladas. A produção da Argentina deve atingir 40 milhões de toneladas, mesmo número previsto no mês passado. A África do Sul teve a safra apontada em 12,5 milhões de toneladas, também sem alterações. Para a safra 2016/17, os estoques finais da safra mundial foram projetados em 228,61 milhões de toneladas, ante as 227,51 milhões de toneladas indicadas em junho. O mercado projetava estoques de 225,2 milhões de toneladas. A safra global 2016/17 foi elevada de 1.068,79 milhão de toneladas para 1.070,51 milhão de toneladas.

Fonte: Agência Safras