Plantio do milho da safra está concluído no município

Milho plantado no início de agosto está na fase de enchimento e deposição de grãos

Devido à melhora nas condições meteorológicas, com o retorno da umidade no solo em níveis apropriados aos trabalhos de plantio, as culturas de verão tiveram aumento na área semeada no município. Entre estas está o milho da safra. Plantado entre os meses de agosto e fim de novembro, o milho safra ocupa uma área de 6,8 mil hectares e neste número já estão incluídas as áreas que foram precocemente plantadas na resteva do tabaco. 60% deste milho está entre a fase vegetativa e floração; 30% já está na deposição e enchimento de grãos; e, os 10% restantes estão na fase de germinação e estabelecimento.

Segundo o chefe do escritório municipal da Emater/RS-Ascar e engenheiro agrônomo Vicente Fin, o milho destes 6,8 mil hectares é destinado à produção de grão. Outros 1,5 mil hectares têm como destino, a silagem e, a partir de dezembro até o final de janeiro, será plantado o milho da safrinha com destino para grão, que somará 7,2 mil hectares e em torno de 2 mil hectares que também são destinados à silagem. Fin observa que parte do grão tardio, principalmente o da silagem, acaba sendo introduzido sobre a área do milho grão, plantado no início da safra de verão e também, o da própria silagem, além da resteva do tabaco. Para milho verde são 645 hectares que é comercializado na Ceasa em Porto Alegre, onde Venâncio Aires tem sido um destaque no estado. Ainda há entre 35 a 40 produtores que plantam milhos de variedades crioulas, que são utilizadas tanto na alimentação animal quanto na humana, pois elas têm um sabor diferenciado. ‘E, aos poucos, alguns produtores vão introduzindo a variedade do milho-doce, que também tem um sabor característico e melhor aceitação pelo consumidor em relação às variedades convencionais’, observa.

Redução

Como o preço do milho estava em baixa durante todo este ano, Fin estima que na safra houve uma redução de 400 hectares. Porém, como o preço reagiu nos últimos dias – o saco de 60 quilos está cotado entre R$ 30 e R$ 32, esta área será recuperada na safrinha e na resteva do tabaco. Fin observa que esta recuperação se dará pois houve uma acentuada redução da área em outras regiões do estado, onde ocorreu um sensível aumento no plantio de soja. ‘Além disso, estas regiões não têm um clima tão favorável para o milho safrinha como Venâncio Aires’, salienta. A estimativa de produção é de 7,5 mil quilos por hectare do milho plantado na safra.

Fonte: FOLHA DO MATE